Gap Year Summit: muito mais que um ponto de partida

O Gap Year Summit voltou a afirmar-se como evento que promete mudar mentalidades em Portugal – sobretudo as mais jovens, as mais ávidas, as mais curiosas.

A 2ª edição, decorrida em Coimbra entre os dias 30 e 31 de Março, veio comprovar isto mesmo: afinal, ainda há espaço para inovar em eventos relacionados com as viagens.

Advisor da Gap Year Portugal desde o ano passado, participei neste congresso como oradora do workshop “Segurança em Viagem” e venho contar-te tudo!

Mas… o que é o Gap Year?

Gap Year traduz-se literalmente por “Ano Sabático” (ou, coloquialmente, “Ano Zero”), um conceito de que todos nós provavelmente já ouvimos falar mas sobre o qual ainda se sabe muito pouco. E se e desconfiança ainda é grande, ainda maior é o desconhecimento sobre como é possível organizar e realizar um. E é aqui que entra a Gap Year Portugal (GYP), a associação nascida em 2013 pela mão do Gonçalo Azevedo Silva (também ele Gapper) e que pretende ajudar a planear, desde o início, uma “experiência sabática” – seja ela de duração um ano ou inferior.

Com a missão de tornar o Gap Year uma possibilidade para todos os jovens, integrada numa perspectiva de desenvolvimento pessoal e de conhecimento das próprias limitações e capacidades, vai ajudar-te a idealizar o melhor período da tua vida – desde o mais pequeno rascunho até à realidade.

Para isso, a GYP organiza workshops de viagem (mensais, em Lisboa e no Porto, a cerca de 4 euros por participante), oferece aconselhamento individualizado, promove experiências profissionais (nacionais ou internacionais, experimentando-se estágios curtos em diversas áreas), académicas (e que tal passares duas semanas a experimentar um curso numa faculdade nacional?!) e até mesmo voluntariado por todo o mundo (programas de curta e longa duração articulados com diversas ONGs).

A ONG Gap Year Portugal conta com 6 anos de existência e uma equipa de 40 voluntários que torna tudo isto possível.

Gap Year Summit


O Gap Year Summit é o evento máximo da Gap Year Portugal onde voluntários e entusiastas convergem para partilhar as suas experiências, tirar dúvidas, alicerçar novos programas ou inspirar os próximos viajantes.

Nesta 7ª edição, a pergunta é lançada no ar: “o que queres ser, no que te queres tornar?”. E se todos achamos que somos donos da verdade e da certeza, quando estamos mais connosco próprios sabemos bem que na realidade não é assim. No ensino secundário – a caminhar a passos largos para aquilo que será o início da idade adulta – muitas são as dúvidas que surgem sobre o caminho profissional a seguir, sobre a vida que queremos levar.

Foi a pensar nestas “angústias boas” (chamemos-lhe assim), que a GYP chamou a sua tribo a Coimbra para 2 dias de palestras em nome próprio, debates e diversos workshops.

debates, palestras e muitos workshops nos 2 dias do Gap Year Summit!

Em Face the Challenge, António Valadas (acarinhado como “avô dos gappers”) deixa uma mensagem importante a miúdos e graúdos: “pais, tenham confiança na educação que deram aos vossos filhos”. Do alto dos seus 78 anos, com a experiência que toda a vida (ordinária E extraordinária) lhe trouxe, relembra a viagem que fez sozinho aos 16 anos pelos Estados Unidos: “quando voltei continuei o secundário. Não perdi um ano – atrasei um ano – porque este foi o ano mais ganho da minha vida”. E reforça: “muitas das coisas que consegui a nível profissional devo-as não à parte formal da minha educação mas de muito do que aprendi ao fazer estas viagens”.

Parar não é uma imposição, é uma necessidade. Viajar não é um capricho, é um investimento. Ideias relembradas várias vezes e ao longo de vários workshops, pelos mais de 15 palestrantes nos quais se incluíram alguns pais: “ficamos angustiados mas também com alguma inveja boa, e acabamos por viver isto com eles”, dizia a mãe dos 3 gappers Gonçalo, Francisco e Ana Silva.

Viajamos não apenas para nos conhecermos melhor, mas também para ajudar o próximo. “Quero ser voluntário”, “Trabalhar e estagiar lá fora” e “Projectos com Impacto” incidiram nesta componente social. De acordo com Afonso Borga, é importante fazer algo que corresponde à causa com que nos identificamos; apresentando o Voluntariado Corporativo GRACE, esta é uma organização que encontra uma causa alinhada com os nossos valores e propósitos, encarregando-se também de fornecer alguma formação antes do início do projecto no local. E não termina sem deixar uma dica sobre como encontrar uma boa oportunidade de voluntariado, um “Modelo 4 Ps”: 1) seguir uma Plataforma segura de voluntariado; 2) Pesquisar sobre organizações no terreno; 3) Perguntar sobre as condições no terreno e outras oportunidades de voluntariado e 4) Propor novos projectos.

workshop de “Saúde e Segurança em Viagem”

E, se o gapper deverá de certo modo, voltar a sua experiência sabática para o mundo que o rodeia, o seu mundo interior – aquilo que está dentro da nossa “concha protectora” – não é menos importante. Temos a necessidade (a obrigação moral!) de irmos preparados e de deixarmos aqueles que nos amam o mais tranquilos possível. E é aqui que entram os workshops de “Inteligência emocional” e de “Segurança em Viagem”, onde falámos sobre a importância de ultrapassar os nossos receios mas confiar nos nossos instintos, sobre aspectos gerais de segurança de bens e pertences e sobre como zelar pela manutenção da nossa própria saúde em viagem. Para isso, ensinámos a preparar um “kit médico de viagem”, foram fornecidas algumas dicas sobre alimentação e prevenção de acidentes em viagem e reforcei o quanto é importante a Consulta do Viajante.

A esta altura, tu que estás a ler este texto já te encontras a pensar que é tudo muito bonito mas… e os custos?! Como suportar uma aventura destas? Como dizia o João Guilherme, “o dinheiro nunca será uma desculpa. Os 3 tipos de custos principais para um viajante são o alojamento, a comida e o transporte. Eu só peço boleias e uso plataformas de partilha de casa (Couchsurfing, Trustroots, ou a Bewelcome..) ou então levo uma tenda e saco cama e acampo em qualquer sítio minimamente tranquilo. E, como para ele “Não há Impossíveis”, em 2017 gastou 85USD em 1 mês – 2,4 euros/dia enquanto percorria o Myanmar, Tailândia, Malásia e Singapura. Estas e muitas outras dicas foram também lançadas nos workshops de “Como planear e por onde começar” e “Low Budget”.

Se após tudo isto ainda te sentes intranquilo e procuras uma ajuda profissional, a plataforma “Ano Sabático.pt” ajuda-te num plano personalizado desde a preparação à estadia no teu destino de eleição. Seja para trabalhar, estagiar, fazer voluntariado, aprender outras áreas ou simplesmente viajar, este programa dispõe de mais de 100 programas em mais de 50 destinos. Podes assim ter uma experiência profissional em áreas distintas como a hotelaria ou cuidar de crianças, estagiar em várias empresas, colaborar com projectos de voluntariado com animais ou preservação ambiental e ainda ensinar inglês num país do sudoeste asiático. E o melhor é que ainda serás pago em algumas destas iniciativas!.

Podes também tentar a tua sorte no programa da Your Best Life®, que vai selecionar mediante candidatura online 7 pessoas para viajarem durante 6 meses (com tudo pago e ainda um plafond de 1500dólares/mês!!) por 10 países e 4 continentes. A viagem inicia-se em Fevereiro de 2020 e se tens entre os 18-35 anos e te identificas com uma das categorias (Communicator, Change Maker, Storyteller, Storywritter, Traveller, Never Travelled ou Adventurer), então não podes perder este desafio.

Polvilhado de momentos altos – a palestra do Rafael Polónia ou da Diana Nicolau, a gravação do Podcast Oficial da Gap Year desta vez com os Honeymooners, ou o debate “Fora da Caixa”, os participantes partilharam – ao melhor estilo do viajante! – os dormitórios do Coimbra Portagem Hostel e divertiram-se na after-party da Aqui Base Tango. E despediram-se cheios de sonhos, de expectativas, de vontades e de uma certeza: o mundo e muito maior do que aquilo que nos rodeia.

                                                                                                                                                                  Andreia Castro // Me Across the World

Encerramento do Gap Year Summit 2019. Para o ano há mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.