Montevideo em 12 pontos-chave

Não tinha planeado vir até ao Uruguai, mas esta viagem já me ensinou a não fazer planos. E, assim, uma sugestão de última hora transformou-se em mais uma mudança de direcção, rumando desta vez até Montevideo e Colonia de Sacramento.

A independência do Uruguay data de 1930, e Montevideo pode ser facilmente “dividida” entre cidade velha (centro histórico) e cidade nova, sendo esta separação marcada pela Porta da Cidadela. O estilo arquitectónico predominante é o Art Déco, após 1925.

Serão dois dias suficientes para Montevideo? Não creio… é possível sim, mas muito a correr. Conhece-se bem a zona da “Ciudad Vieja”, mas deixa pouca oportunidade para explorar quer esta quer outras zonas com maior profundidade. É uma cidade que se faz a pé (é considerada a cidade mais segura da América do Sul), com uma rede de autocarros que nos leva rapidamente a qualquer ponto mais distante. O preço médio de cada bilhete é 26 pesos (75 cêntimos).

Ficam aqui as minhas sugestões para dois dias em Montevideo, com o desejo de que sejam apenas o ponto de partida para alguns mais!

1.Plaza de Independencia
A Praça da Independência é o “coração” da cidade de Montevideo e aquela que nos faz verdadeiramente sentir nesta capital sul-americana. Rodeada por edifícios históricos de um passado mais ou menos recente, apresenta no seu centro a estátua de Artigas – líder pró-independentista. Debaixo desta há um mausoléu com as suas cinzas.

Nas laterais desta praça temos o Palácio Salvo, o Palácio Esteves/ Museu da Presidência (sede do governo até 1985), a Torre Executiva (onde funcionam os gabinetes de estado, e num estilo transparente como metafóra das suas funções) uma avenida que dá para o Teatro Solis, outra que nos leva pela Porta da Cidade até ao Passeio dos Sóis e o início da grande Avenida 18 de Julho.
A Free Walking Tour (t’shirts laranja) começa nesta praça pelas 11 horas.

Plaza de Independencia
O Museu da Presidência, no meio de edifícios mais recentes
  1. Palácio Salvo
           Idealizado pelo arquitecto italiano Mario Palanti – que nos seus delírios de grandeza pretendia um semelhante em várias cidades -, foi construído entre 1928 e 1935 e considerado o mais imponente edifício de todo o Uruguai, assim como o mais alto da América do Sul nessa época. Concilia um estilo arquitectónico que se distingue de todos os envolventes.

É possível subir-se ao 24º andar, de onde se vê toda a Montevideo e Buenos Aires, pelo preço de 400 pesos (11,5 euros) ou.. fingindo-se que se habita nele!  (resulta, comprovo).

Palácio Salvo
  1. Teatro Solis
          Teatro neoclássico construído entre 1840 e 1856 sob apoio maçónico, era um espaço social não apenas palco de peças teatrais, óperas ou bailados como também ponto de encontro da sociedade da época, tendo aqui sido organizados muitos casamentos de conveniência.

Nele foram desenvolvidos a Orquestra Filarmónica e a Companhia Nacional de Teatro. O salão principal tem uma capacidade para 1250 pessoas e o grande lustre central é feito de cristais provenientes de Inglaterra, brilhando no centro de uma cúpula com referência a Shakespear, Molière, Mozart ou Verdi.

Actualmente tem uma agenda rica em peças de teatro e concertos musicais a preços extremamente acessíveis (graças ao apoio governamental), tornando a cultura acessível a toda a população. Dispõe de visitas guiadas gratuitas todas as quartas-feiras pelas 16h (inclusive em português), nos restantes dias o acesso faz-se por 90 pesos (2.6 euros).

Fachada do Teatro Solis
Salão de Espectáculos
  1. Porta de la Ciudadela e Passeio dos Sóis
    A porta da cidade localiza-se na extremidade da Avenida Sarandí, sendo um dos pontos de entrada para a Plaza de Independência.

Esta estrutura tem apenas 9 (nove!) anos de existência, uma vez que não é a original (esta localizava-se junto ao Porto e tinha cerca de 250 anos). O governo anterior optou por replicá-la neste local por forma a torná-la mais visível, utilizando pedras da Porta original que são facilmente identificáveis pela sua coloração mais antiga. No seu centro existia a estátua de um santo, coberto em 1919 por uma laje de mármore aquando da separação do estado com a igreja.

O Passeio dos Sóis tem diversas placas ao longo da calçada, homenageando personalidades importantes do Uruguay (excepção a Nélson Mandela e aos Rolling Stones!..). O sol é o símbolo da bandeira uruguaia e o projecto foi abandonado em 2016 após a morte de 3 das pessoas homenageadas em apenas um mês (nota importante: a mais velha tinha 87 anos!).

Porta da Cidade

  1. Praça Da Constituição e Igreja Matriz

O Uruguai é um país maioritariamente ateísta, considerando-se cristãos cerca de 46% da população. O seu estado é laico e não financia a manutenção das igrejas, que se subsistem das doações dos fiéis ou da aquisição do seu espaço por outras instituições. Por este motivo, actualmente há muitas igrejas fechadas ou abandonadas em Montevideo, e outras transformadas em museus.

  1. Livraria “Más Puro Verso”

Esta livraria linda de dois andares fica na Avenida Sarandí (a mesma da Porta da Cidade) e é mais uma delícia para amantes de livros e cafés com vista.

Livraria “Más Puro Verso”
Café da Livraria “Más Puro Verso”, com vista sobre a Avenida

 

  1. Edifício da Intendência de Montevideo e Mirador Panorâmico

Edifício alto numa das laterais da longa avenida 18 de Julho, facilmente identificável pela sua cor de tijolo. O segredo é atravessar o grande hall de entrada (onde ocasionalmente há exposições e mercadinhos) e descer 3 lanços de escadas até aos elevadores que nos vão levar ao topo.

O miradouro tem uma vista incrível sobre toda a cidade, em 360º. Várias placas, colocadas estrategicamente nos locais certos, identificam as principais estruturas visíveis e contam-nos a sua história. Tem um pequeno café no seu interior e, melhor de tudo, o acesso é gratuito!.

Intendência

Vista Panorâmica

8.  Mercado del Puerto

O Mercado do Porto é, tal como o nome indica… o mercado do porto de Montevideo. Fica praticamente adjacente a este e alberga no seu interior pequenas lojas para turistas e muitos restaurantes, ao invés das tradicionais bancas de frutas, legumes ou outros frescos. Foi construído em 1865 e no interior, os seus tectos fazem lembrar uma estação de comboios. Não cheguei a comer neste local, mas diz-se que as carnes são divinais (o cheiro pelo menos era!…). Foi aqui que provei o médio-médio (continua a ler!). O sábado é o dia mais agitado e tem música ao vivo.

9. Café Brasileiro

O café mais antigo de Montevideo, o Brasileiro é um pequeno espaço em art noveau, fundado em 1877. Foi local de tertúlias da alta sociedade da época e ainda hoje é ponto de referência. Pedi um combinado de café com duas médias-lunas pelo qual paguei 100 pesos (2,9 euros). Esperei e quase desesperei, até que me trouxeram dois pequenos croissants.. ainda mais pequenos que o habitual. Fiz as pazes assim que dei a primeira trinca: são fabulosos.

10. Las Ramblas

O verdadeiro montevideo não dispensa uma ida às ramblas, a extensa avenida marginal. Tem o nome genérico de Rambla das Nações Unidas e um comprimento total de 30Km de Montevideo ao bairro de Carrasco, mas encontra-se segmentada em Ramblas de diferentes nomes como Rambla Argentina, Rambla Franla, Ghandi ou República do Chile.

É o local ideal para passear de bicicleta ou fazer uma corrida matinal ou ao pôr-do-sol.

11. Playa de Los Pocitos e Punta Carretas

Playa de Los Pocitos é uma típica praia de cidade, encontrando-se imediatamente adiante de uma ampla linha de prédios residenciais de traços modernos e da rambla. As suas águas são de tonalidade acastanhada, típicas do Rio de La Plata (o mais largo do mundo), e a água é fresca sem ser fria mesmo embora o inverno já tenha acabado (Março). É aqui se pode tirar uma fotografia com o grande letreiro “Montevideo”.

O autocarro demora cerca de meia-hora até este destino e o custo fica em 36 pesos (1 euro). Para quem gosta de livros, há uma livraria frente à rambla e à praia (Livraria Yenny) que no seu interior tem óptima pastelaria da linha Rhin de Oro.

Punta Carretas fica um pouco antes de Playa Pocitos e mais próximo de Montevideo, podendo ser vista no regresso. Faz parte da história da libertação do Uruguai, pelo que recomendo a Curious Free Walking Tour, que se reúne à frente do Shopping Punta Carreteras às 15:30h.

Playa de Los Poncitos e Rambla

12. Mate e “Medio y Medio”
       São duas bebidas tradicionais do Uruguai.
O médio-médio é composto por meia quantidade de espumante e meia quantidade de vinho branco. É por vezes oferecido nos restaurantes e no Mercado do Porto, onde tive a oportunidade de provar.
O mate é quase considerado uma instituição por si próprio.. raro é ver um uruguaio não acompanhado do seu termo, do “porongo” (onde se faz a mistura) e a erva-mate. Deve ser servido quente e partilhado, pelo caso vos seja oferecido não se deve limpar o bucal da “bombilla” (é má educação!). Como amante de chá sinceramente não percebi o fascínio por esta bedida… desaparece em três sorvos, para além do trabalho que dá a fazer e do peso e do volume!
Outra bebida típica que não tive oportunidade de provar é o “Grapamiel”, bebida à base de mel com mais de 25% de teor de álcool.

Tomando Mate
medio y medio

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.