Nos caminhos da Estrada Real: Mariana

Mariana acabou por ser a primeira cidade histórica pertencente ao circuito da Estrada Real que visitei após sair de Belo Horizonte, onde pernoitei vinda directamente da Bolívia.

A primeira cidade do estado de Minas Gerais foi fundada em 1696 e localiza-se a 704 metros de altitude, merecendo uma visita de 2 ou 3 horas – uma manhã encaixada num dos dias destacados para Ouro Preto, que dista a apenas 20 minutos de autocarro.

Neste intervalo de tempo é possível conhecer o seu centro histórico, caminhando ao longo da inclinada avenida principal – a Rua Joséfa Macedo – que abre na praça Minas Gerais, onde em simultâneo vemos o edifício da Câmara Municipal (também antiga prisão), a Igreja de São Francisco e a Igreja de Nossa Senhora do Carmo. Frente à segunda encontramos um pelourinho português, com brasão e esfera armilar.

Continuando pela mesma rua, agora com o nome de Dom Silvério, vemos típicas casas coloniais portuguesas caiadas de branco e portas e janelas emolduradas com diversas cores. No topo, a Igreja de São Pedro dos Clérigos tem um formato em “8”, símbolo de eternidade. Um pouco mais afastada, a Igreja Catedral da Sé tem um orgão único no mundo.

Dois outros motivos de visita a Mariana são a Mina da Passagem e o comboio turístico que faz ligação a Ouro Preto. A primeira conta a história do Ciclo do Ouro, desde a sua extração (estimada em 35 toneladas) até ao crescimento das cidades adjacentes fomentado pela exploração portuguesa e seu posterior declínio. Tem 11Kms de extensão e 400 metros de profundidade. Por ter tido uma experiência bastante intensa nas minas de Cerro Rico, na Bolívia, foi algo que não desejei repetir (embora aqui esta seja já uma mina desactivada, totalmente turística e cujo circuito se faz em vagões).

Optei então pelo comboio turístico de volta a Ouro Preto, uma viagem panorâmica de 22Kms em cerca de 1 hora que atravessa o vale e as montanhas, 4 túneis (o maior com 1015 metros) e uma cascata enquanto se ouve em simultâneo um relato com a história local. O melhor lado para se fazer este circuito é o esquerdo, embora a determinado ponto surja do lado direito uma pequena capela branca onde foi celebrada a primeira missa de Minas Gerais. Ao longo do trajecto passamos também por alguns orifícios com 50 a 100 metros de profundidade que se destacam no solo da paisagem e que representam antigos respiradouros da mina.

Igreja de S. Francisco e Igreja de Nossa Senhora do Carmo
Igreja de Nossa Senhora do Carmo
Pelourinho português (sec.XVII)
interior da Igreja de São Pedro dos Clérigos
Vista panorâmica de Mariana
Vista panorâmica de Mariana
detalhe das ruas
Estação de comboios de Mariana

Dicas Práticas:
– Comboio Turístico Ouro Preto – Mariana
O comboio turístico percorre 18Kms entre Ouro Preto e Mariana, a cidade vizinha. Tal como o folheto promove, “de um lado, a primeira vila e capital de Minas Gerais, Mariana. Do outro, uma cidade que é património mundial e atrai turistas de todos os cantos do mundo, Ouro Preto”.
_ Sextas e Sábados: partidas de Mariana às 13h e 16h. Partidas de Ouro Preto às 10h e 14:30h.
_ Domingos: partidas de Mariana às 14:30h. Partidas de Ouro Preto às 10h e 16h.
_Preço habitual – 70 reais (16,5 euros).  Tarifa de estudante 35 reais (8,2 euros).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.