Sobre mim

Olá!

O meu nome é Andreia, sou portuguesa e tenho 32 anos.
Sou Médica de Família, e como tal trabalhei até há muito pouco tempo num Centro de Saúde.

Na verdade, não tinha muito de que me queixar… tinha o meu emprego de sonho, pelo qual sempre estudei e lutei para alcançar, com uma equipa que adorava e com doentes que, bem… como costumamos dizer entre nós, “1/3 são adoráveis, 1/3 são ok, 1/3 são péssimos”; mas até aqui eu era uma privilegiada: cerca de 80% dos meus utentes eram “de-adoráveis-a-ok”… Vivia perto do trabalho (a apenas 10 minutos de carro), numa área residencial próxima de Lisboa com fácil acesso a praias, jardins e outras regalias, e, para além de tudo isto, tinha ainda a felicidade de poder dizer que já tinha casa e carro próprios.

Ainda assim, sentia-me bastante angustiada de tempos a tempos. Desde sempre viajei com os meus pais, algo que comecei mesmo muito nova. Com 8 anos já tinha percorrido a maior parte da Europa, de carro. Com 13, fui uma das representantes das diferentes escolas secundárias do meu concelho de origem (Sintra), numa experiência de intercâmbio que me levou até ao Japão, tendo ficado em casa de nacionais. Aos 21 anos aderi ao programa Erasmus e fui para Paris estudar 9 meses, tendo ficado alojada na Cidade Universitária. Foi nessa altura que comecei a sentir-me confortável em viajar com alguns amigos, em marcar hostels e voos. A partir daí, nunca mais parei. Com 26 anos fiquei por duas semanas em Granada, num outro projecto de intercâmbio que juntava estudantes de medicina e não só. E, com 28, fui para Londres estudar durante um mês.

Durante estas três décadas pude visitar mais de 30 países e, infelizmente, comecei a escrever sobre eles demasiado tarde. Creio que me foquei sempre demasiado no mundo fotográfico e a partilhar os meus álbuns pelo facebook, o que justifica que este blog seja talvez mais um photo-blog que um text-blog se assim lhe quisermos chamar.

Pelo facto de adorar o meu trabalho, fazer semanas de 50 horas ou mais caso fosse necessário não era invulgar, e sabia perfeitamente que estava a trabalhar acima das minhas necessidades. Para além disso, em Portugal apenas podemos usufruir de 22 dias de férias por ano… e então comecei a fazer algumas contas de cabeça… e percebi que adorava a vida, e viajar, e o mundo mais do que podia aguentar com estes poucos dias que me eram oferecidos. E que tinha saúde, e que pelo menos agora podia sentir que era financeiramente estável.

E isto traz-me ao dia de hoje. Ao dia em que decidi sair. Em que não desisti, mas em que decidi fazer um “upgrade” na minha vida. Só por agora, só por algum tempo. Porque, citando Jack Kerouack numa frase a que me agarro muito,  “in the end, you won’t remember the time you spent working in the office or mowing your lawn. Climb that goddamn mountain.”.

Subam esta montanha comigo =)

Andreia*

um passeio pelo Vale d’Orcia, Toscana (Itália)