Um dia no Parque Nacional Tayrona

— Lê aqui as minhas dicas práticas para visitar o Parque Nacional Tayrona!

Avançamos pelo trilho rasgado por entre a vegetação, o sol cada vez mais alto e a humidade a fazer-se notar. Eram 9:30h da manhã e já estávamos a caminhar. No meu caso, já me encontrava acordada há 4 horas. Tínhamos pernoitado num hostel invulgar nos arredores do acesso ao Parque, já a entrar “no espírito da selva”.
Com pequenos bungalows sem quaisquer paredes e camas protegidas por redes mosquiteiras, poder dormir num local destes e acordar com o som dos pássaros, rodeada da selva colombiana e a ver um riacho a passar ao fundo é uma experiência única e inesquecível.

Voltamos ao trilho do Tayrona atravessando floresta com vegetação densa e altas palmeiras cujas folhas se estendem até ao chão. O tipo de vegetação que não se encontra na Europa, seja por questões climáticas seja em termos de dimensão. Uma vez mais na Colômbia é tudo grande, muito grande.
Ouvimos as aves e, ocasionalmente, alguma agitação por entre as ramagens – apercebemo-nos que estamos rodeados de pequenos macacos que se aproximam de nós assim que lhes mostro um coco que carregava, e não deixo de aproveita o momento interagir com os mesmos.

Ao fim de 2 horas de caminhada, chegamos a um dos principais pontos de interesse do Parque, o Cabo San Juan.
Aqui abre-se uma baía ladeada por grandes pedregulhos em granito, ao fundo novamente uma pequena casa redonda e aberta, com telhados de colmo e redes suspensas em todas as direcções onde os turistas podem pernoitar. A água é batida mas convidativa, não fosse o cenário idílico. E como nem sempre as palavras conseguem expressar tudo, deixo-vos os resto em fotografias!

— Lê aqui as minhas dicas práticas para visitar o Parque Nacional Tayrona!

Journey Hostel
Mil tons de verde no Parque Tayrona
Fiquei deslumbrada com estas formiguinhas a trabalhar
O Parque tem imensos macados que se aproximam de nós com facilidade
Cabo de San Juan

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.