Para quem viaja “on a budget” não há nada mais importante do que explorar ao máximo com o mínimo de despesa, por isso este artigo é para te mostrar como é possível fazer uma viagem económica e quanto gastei em 11 dias na Islândia (voos incluídos).

 

Islândia “on a budget” - onde e quanto gastei em 11 dias

1. Voos

          Dadas as limitações impostas pela pandemia, optei por evitar o voo mais barato – que seria via Londres mas que poderia obrigar a um período de quarentena caso excedesse a permanência acima de 6 horas, o que podia acontecer visto que o voo implica mudança de aeroporto. Assim, voei via Frankfurt: o preço final dos 4 voos ficou por 320 euros, com o custo da mochila extra a ficar por 50 euros.

primeiro voo - custo viagem Islândia

2. Seguro de Viagem

          Viajo sempre com Seguro de Viagem e a minha escolha recai para a IATI. São especializados em viagens de aventura, tem óptima cobertura com preços super acessíveis e o atendimento é sempre em português. Em caso de necessidade, não tem de se avançar com dinheiro no local – eles tratam de tudo. Para além disso, todos os seguros cobrem incidentes relacionados com o Covid!

          Com o meu link, podem usufruir de 5% de desconto imediato em qualquer seguro, para qualquer destino à vossa escolha!

Simula aqui o valor final do teu seguro IATI, com 5% desconto:

3. Teste Covid

          As regras de entrada na Islândia obrigam à realização de um teste à chegada a todas as pessoas a partir dos 14 anos de idade, excepto caso o viajante ou residente aceite ficar os 14 dias de quarentena.

          A partir das 72 horas prévias à viagem deve ser preenchido um formulário no site covid.is/english. O teste pode ser pago online nessa mesma altura – ficando por 60 euros – ou à chegada (80 euros). Por esse motivo, e porque “não há como escapar”, aconselho o pagamento logo aquando do preenchimento do registo.

Podem tirar todas as dúvidas sobre a Islândia e o Covid neste artigo.

procedimentos de entrada - Viajar Islândia Covid

4. Autocaravana, gasolina e gás para o “camping-gás”

          Viajar de autocaravana é a melhor forma de conhecer a Islândia, e eu consegui fazer cerca de 3000Kms nos 11 dias em que estive no país, fazendo todo o contorno da ilha.

          Optei por alugar uma pequena van, em que a parte de trás era somente um largo colchão. O aluguer já traz almofadas, lençóis e sacos cama. Traz também uma mesa, 2 cadeiras, loiças e camping-gás com uma garrafa incluída. O custo de cada garrafa é de 7 euros e só se compram nas bombas de gasolina – duas garrafas deram para cozinhar as 3 refeições/dia durante 8 dias.

caravana interiores - custo viagem Islândia

          Para o trajecto de 3000Kms necessitei de encher o depósito 4x (até porque a viatura tem de ser devolvida com o depósito cheio), e gastei um total de 248 euros.

5. Pernoitas em Camping

          Pernoitar na beira da estrada na Islândia é seguro mas… é proibido. Assim, é tentador mas arriscamo-nos a uma multa caso sejamos “apanhados”. Eu arrisquei várias vezes…. e espero não ser surpreendida com uma multa em casa.

          Ainda assim, ficar num camping é muito barato – cerca de 10 a 15 euros por noite/ pessoa -, para além de ser mais cómodo: acesso às casas de banho, duche quente, secador de cabelo, local onde fazer a comida, wi-fi gratuito e por várias vezes também com lavandaria (máquina de lavar e secar roupa).
          A app park4night revelou-se super útil: ela indica qual o parque de campismo mais próximo, assim como a disponibilidade, as condições e o preço por pessoa.

camping westfjordes - custo viagem Islândia

6. Alimentação

          A título de curiosidade, entrei nas 3 principais cadeias de supermercados “low cost”, a Kronan, Netto e a Bónus – consta que esta última é a mais barata de todas.

          A Islândia é dos países mais caros que visitei, o que se nota sobretudo no preço de um bem essencial como a comida. Por esse motivo, metade da minha mochila de viagem era composta por comida: massas, couscous, arroz e sopas de pacote, entre outros. Por opção (de volume e de peso), não trouxe quaisquer conservas. Aqui foi onde francamente consegui poupar mais dinheiro.

alimentação - custo viagem Islândia

          Viajando em budget não foi possível experimentar alguma da comida tradicional como os invulgares pratos de tubarão podre. Ainda assim, provei Sopa de Cordeiro (que leva pedaços de carne, batata, louro e cenoura), o Rye Bread  (pão doce cozinhado numa panela inserida nas fumarolas, a 100-120ºC e onde fica por 24h) e uma entrada de Smoked Trout, com truta fumada servida sobre manteiga islandesa e pão tradicional.

          De entre as cadeias mais baratas estão o Bónus (símbolo do porquinho, horário 10-19h), o Kronan (9-21h) e o Nettó (10-21h). 
          Na imagem abaixo podem ver o valor de alguns produtos alimentares básicos (e outros nem tanto…).  

Tabela produtos alimentares - Islândia

          Para comer fora, o mais acessível são mesmo os hambúrgueres – que habitualmente são robustos e acompanhados de batata frita. O valor ronda em média os 15 euros, sem bebida.    

7. Hot Pools

          A Islândia é riquíssima em fontes termais que se encontram distribuídas por vários pontos da ilha, daí que visitar as “hot pools” faz parte do “must do” de qualquer visitante.

          Muitas delas são gratuitas e mesmo assim dotadas de balneário com wc e duche. Algumas são pagas apenas de forma simbólica, por estarem integradas em propriedades privadas e esse valor (em média 6 euros) ajudar aos custos de manutenção.

          As hot-pools mais “turísticas” – chamemos-lhes “prime” – são obviamente pagas. A mais conhecida de todas, também pela sua proximidade com Reykjavik é a “Blue Lagoon”, cujo custo ronda os 56 euros. Eu optei por experimentar as de Myvatn (muito menos conhecidas, com menos gente e pelo valor de 35 euros) e as de Laugarvatn (12,5 euros para adultos, jovens 9 euros e gratuito para crianças até aos 12 anos).

Hot Pools- custo viagem Islândia

8. Tours

          É difícil decidir quais as tours que se querem fazer num país que tem tanto para oferecer – e sobretudo tanta coisa gratuita. Contudo, há alguns que são quase impossíveis de dispensar.

          Optei por fazer um “fast track tour” às grutas de gelo do vulcão Katla, numa excursão de 3-4 horas que nos leva num super-jipe à base da montanha – onde são fornecidos os equipamentos necessários para uma caminhada sobre o gelo até ao início dos túneis. O preço é de 106 euros por pessoa.

Katla Ice Caves - custo viagem Islândia

          A outra “tour” que escolhi foi a de ida-e-volta a Landmannalaugar. Esta não é uma verdadeira “tour” mas sim apenas a passagem de autocarro, que pela Reykjavik Excursions fica por 80 euros (saída do terminal de autocarros da capital). Uma vez no destino, é andar depressa para fazer um dos circuitos sugeridos. O primeiro autocarro da manhã sai às 7h e o último regressa às 15.30h. A viagem tem a duração de 4 horas para cada sentido, mas acreditem que vale o tempo e o dinheiro.

Landmannalaugar- custo viagem Islândia

A minha despesa total para 11 dias de viagem, 3000Kms de percurso, foi de 2038 euros assim distribuídos:

– voo – 370 euros

– seguro de viagem – optei pelo Seguro IATI Estrela, que ficou por 28 euros

– teste Covid-19 (pago no aeroporto) – 80 euros

– caravana (796,53 ) + seguro (252,35) = 1049 euros

– gasolina – 124 euros   

– Botija de gás extra – 7 euros

– pernoitas em camping (3 noites) – 32,80 euros

– alimentação – 120,62 euros (dos quais 60 euros foram em comida que trouxe de Portugal, e comi fora por 3x com o custo de 15 euros cada refeição, sem bebida).

– tours – 186,3 (tour Katla Ice Caves 106 euros + bus de ida e volta para Landmannalaugar – 80euros)

– extras – 41 euros – Termas em Myvatn – 35 euros e outra pequena hot-pool paga (6 euros)

          Se considerarmos essa viagem para duas pessoas, já com a devida separação de despesas individuais e conjuntas, o valor/ pessoa foi de 1481 euros.

Islândia - custos para 11 dias
guarda este artigo no Pinterest!

Partilha nas tuas redes
Share on facebook
Share on pinterest
Share on email
Andreia Castro

Andreia Castro

Viajante antes de ser Médica, vivo com as memórias no bolso, o passaporte na mão e sempre com a próxima viagem marcada.

Lê mais

One comment

  1. José Manuel Araújo

    Senti-me o passageiro do lado. O desbravar do desconhecido foi optimo. Obrigado pela partilha. A minha viagem também aconteceu …….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Subscreve a Newsletter

Subscreve a newsletter

E fica a saber de antemão tudo sobre as próximas viagens, artigos do blog e muito mais!

Subscreve a newsletter

E fica a saber de antemão tudo sobre as próximas viagens, artigos do blog e muito mais!